Grupo Vínculo - Apoio voluntário especializado para cuidados com a vida

Dificuldades em amamentar e Relactação

A natureza prepara as mães assim como as mamas para o aleitamento materno. 


Ainda sim neste ritmo frenético da sociedade atual, as crenças repassadas pelos familiares ou até mesmo pela cultura, podem ser verdadeiros mitos que atrapalham a preparação natural da mulher para o parto e também para amamentação. 
Acredite !!!!!!!!! Você sendo mãe, suas mamas estão prontas para o aleitamento materno e caso seja mãe adotiva, existem recursos que podem tornar possível amamentar seu bebê. 

Soluções para algumas dificuldades em amamentar
  1. Manter a calma em qualquer problema encontrado, acreditar que você vai amamentar e deve desejar isto com todas suas forças! 
  2. Caso esta postagem não seja suficiente para te ajudar, não perca tempo PROCURE UM PROFISSIONAL ESPECIALIZADO (consultoria home care em aleitamento materno).
Dificuldade na maternidade.
    • Mesmo que você tenha a informação de que o bebê tem uma "reserva" e que talvez não mame tanto, procure deixar seu bebê próximo as mamas, fique perto, ofereça! Amamentar não é só alimentar. 
    • Aproveite para aprender. PERGUNTE às enfermeiras, aos médicos. Veja como é uma pega correta, posições para amamentar na prática. 
      Dificuldades em casa 
        • Primeira Semana: Apojadura (descida do leite). Por volta do 4º ou 5º dia após o nascimento, aquele leite materno ralo e amarelo (colostro) é complementado com o leite materno de transição, as vezes a dificuldade começa aí !!! As mamas ficam cheias, pesadas, quentes e muitas vezes doloridas. Neste momento, pode surgir problemas como: pega incorreta, pois é só imaginar uma bexiga cheia e você tentar abocanhá-la... neste caso os lábios escorregarão não é mesmo? Pois então acontece a mesma coisa, o bebê pode mamar só o mamilo e então fissurar, além de não mamar o suficiente. Outro problema é: ingurgitar (empedrar), pois como desce de uma só vez muito leite, a mulher pode não massagear as mamas, e não drenar o excesso de leite e então passa a ter esta dificuldade que se não tratada pode ser desconfortável, extremamente dolorida e até grave caso se transforme em mastite.

        • Segunda Semana: Nesta época normalmente acontece a visita ao pediatra que pode ser favorável ao processo ou não... ou seja introduzir complemento de formulas(leite) artificiais com mamadeira, pode ser recomendado por alguns pediatras pois o ganho de peso para muitos vale a qualquer custo e nem sempre seguem a recomendação da OMS. (A Organização Mundial da Saúde recomenda fórmulas infantis somente como uma quarta opção, depois do leite direto do seio materno, o LM oferecido em copinho ou relactação, e o leite de outra mulher via bancos de leite materno). Nem sempre a tabela de peso corresponde a saúde do bebê, por isso investigue bem quem é o pediatra.
          Alguns Mitos:

          "Não tenho bico": toda mulher tem bico, que é o mamilo. Porém existem mamilos mais favoráveis ao aleitamento materno como por exemplo o bico protuso e aqueles podem dificultar um pouco o processo, porém possíveis de serem "moldados" com exercícios e técnicas para ajudar. Cuidados especiais com "*mamilo invertido"

          "Não tenho leite": toda mulher produz leite, é da natureza. Baixa produção de leite pode acontecer devido a pega incorreta, stress da mãe ou do bebê, horários muito espaçados das mamadas, pouco estímulo (quanto mais o bebê mamar, mais leite a mãe produzirá) e deve ser investigada por algum profissional especializado em aleitamento materno. *Cuidados especiais com algumas mães que fizeram cirurgia de redução de mamas.

          "Meu leite é fraco": isto não existe !  Existe leite anterior e leite posterior. O primeiro rico em água e o segundo rico em gordura (além de todos os nutrientes e anticorpos que possuem). Muitas vezes o bebê só mama o leite anterior e sendo assim acaba por não ganhar peso, pois o leite rico em gordura vem depois. Ou seja, a mãe deve esvaziar toda uma mama, seu bebê deverá estar mamando corretamente para que este processo funcione bem.

          O que realmente dificulta aleitamento materno: mamilo invertido e cirurgia de redução das mamas

          Em ambos os casos, como também em alguns casos como filhos adotivos e baixa produção instalada, as mãe poderão incluir a técnica de relactação.

          Técnica da relactação
          (ideal com demonstração na prática de um profissional especializado)

          • Sonda Levine nº 4 (cateter estomacal, gástrico ou uretral), seringa descartável, esparadrapo para prender o cateter
          • Colocar o bebê no peito, verificar pega;
          • Colocar a extremidade mais larga do cateter na vasilha com leite
          • Introduzir a ponta do cateter de 2 a 3 cm ao lado ou por cima do mamilo, cuidando para não ultrapassar a ponta do mamilo
          • Prender cateter no peito da mãe
          • O recipiente do leite deve ficar abaixo do nível da boca
          • Se o bebê tiver ordenhando muito rápido o   leite do recipiente, pode-se diminuir o calibre do cateter, com auxílio de um clipe, ou apertando com dedo.

          Indicada para bebês que:

          • Deixaram o peito para usar  a mamadeira, e a mamãe quer voltar a amamentá-lo;
          • Com sucção pouco eficiente, ordenhando pouco leite e com baixo peso;
          • Que rejeitaram o peito;
          • Prematuros que não conseguem ordenhar todo o leite necessário;
          • Doentes – cardíacos e outros – que não podem fazer esforço
          Portadores de síndromes, caso haja dificuldades;
          • Recém-nascidos cujo colostro da mãe não desceu.
          • Mães que tomaram medicamentos para secar o leite e querem retomar a amamentação
          • Com hipogalactia

          Não oferecer mamadeira durante o processo, pois todo esforço pode ser perdido.


          O que realmente contra-indica aleitamento materno: algumas doenças físicas como por exemplo a AIDS e algumas doenças psíquicas que requerem medicações contra-indicadas a amamentação.

          Grupo Vínculo

           
           




          Somos um GAPP

          Somos um GAPP

          Fazemos parte!