Grupo Vínculo - Apoio voluntário especializado para cuidados com a vida

Por que praticar yoga durante a gestação

Hoje trazemos para o blog do GV o texto de uma parceira nossa, a Vanessa Malagó. Responsável pelo novo espaço onde as reuniões para gestantes e pós-parto acontecerão a partir de Agosto, Vanessa é mãe e professora de yoga.



Como praticante e professora de yoga e mãe de dois filhos, gostaria de compartilhar minha experiência com o yoga durante a gestação.

Na busca de uma atividade física para fazer durante a gravidez, muitas gestantes acabam chegando ao yoga.  
A prática de yoga pode preparar fisicamente a mulher para o parto, assim como aliviar desconfortos durante a gestação. Dores na região lombar, nas pernas, tensão nos ombros, distúrbios digestivos e problemas posturais que podem aparecer ou se agravar conforme a barriga aumenta e o centro de gravidade do corpo se altera, normalmente são atenuados ou mesmo evitados por meio de uma prática regular.

O repertório de posturas trabalhadas numa aula de yoga envolve o corpo como um todo, alongando e tonificando músculos. A prática pode trazer à gestante mais flexibilidade, força e vitalidade, ajudando a combater a fadiga e enfrentar o peso extra e a hiperatividade dos hormônios. Com um corpo mais forte e flexível, a mulher estará também mais preparada para o parto, podendo experimentar diferentes movimentos e posições que ajudem a aliviar as dores das contrações. Os desafios que algumas posturas proporcionam ajudam a gestante a vivenciar gradualmente situações de maior esforço, de forma que possa lidar com isso mais facilmente durante o trabalho de parto.

A respiração é outro aspecto chave da prática. Não apenas os exercícios respiratórios que podem ser poderosos aliados durante o parto, mas também o fato da prática enfatizar a respiração durante a execução das posturas. Respirar de forma lenta e profunda enquanto executamos uma postura mais exigente é extremamente desafiador. A mesma coisa acontece quando o trabalho de parto evolui e começam as primeiras contrações mais fortes. Dessa forma, a prática prepara a gestante para atravessar a fase ativa do parto com mais serenidade. Como receio e ansiedade são fatores que podem afetar o trabalho de parto, aprendendo a manipular o ritmo da respiração, a mulher consegue afetar positivamente seu estado mental e emocional e parir com mais facilidade.

Os benefícios que a prática pode trazer não terminam aí. O yoga busca o autoconhecimento, um olhar para dentro de si mesmo, e desperta na praticante uma conexão maior com seu próprio corpo e com o bebê que cresce dentro dela, permitindo que esteja em sintonia com as profundas mudanças físicas e emocionais desse momento único.

Em geral não há contraindicações para praticar yoga durante a gravidez, mas é recomendável consultar seu médico antes de iniciar a prática. Para alunas iniciantes, normalmente recomendo que iniciem a prática após o primeiro trimestre de gestação. Se a gestante já praticava yoga antes da gravidez, não há necessidade de descontinuar a prática nos primeiros meses de gestação, a menos que haja alguma recomendação médica para que evite atividades físicas nesse período inicial. Se a mulher já tiver tido alguma gravidez interrompida anteriormente, também é recomendável que não pratique no primeiro trimestre.

Minha prática de yoga começou muitos anos antes da minha primeira gravidez e eu segui praticando nesses meses iniciais. Nas duas gestações me senti extremamente cansada durante os três primeiros meses e a prática foi fundamental para me trazer mais vitalidade. Ao longo da gestação o corpo da mulher vai se transformando e a prática de yoga também vai se adaptando a essas mudanças. Durante minha prática na gravidez, aprendi a desacelerar. Deixei a intuição me conduzir em muitos momentos, dizendo quando parar e inspirando a experimentar diversas posturas sob novo enfoque.

Entrar em contato com as sensações que vêm do corpo e aguçar essas percepções é o que de mais especial a prática de yoga pode trazer para a gestante. Toda mulher sabe parir, seu corpo foi desenhado para isso. O que acontece é que muitas vezes, na correria da vida cotidiana, as pessoas vão perdendo essa conexão com seu próprio corpo e essa sabedoria interior.

Saber ouvir o que diz o corpo e sua intuição é fundamental para atravessar a gestação e o trabalho de parto com tranquilidade. Com o yoga pude vivenciar a entrega, a confiança a e coragem pulsando em meu corpo, num diálogo silencioso e amoroso entre eu e meu bebê.

Somos um GAPP

Somos um GAPP

Fazemos parte!