Grupo Vínculo - Apoio voluntário especializado para cuidados com a vida

Até que ponto é importante mesmo a presença do pai na vida de uma criança?

Olá meninas, pra quem ainda não me conhece sou Maria Carolina, doula, educadora perinatal, mãe e técnica em enfermagem, faço parte do grupo vínculo à 7 meses, sou apaixonada pela gestação e pelo puerpério. Sempre que possível virei aqui passar um pouco da minha experiência nesse mundo maravilhoso que é ser mãe, e hoje falarei um pouco da importância do pai, da importância de uma família...
Espero que gostem, e logo mais teremos mais posts!

Até que ponto é importante mesmo a presença do pai na vida de uma criança?

Com certeza escutamos muito isso, principalmente com o crescimento de divórcios  entre casais, e aí esse tema vem à tona na vida do casal que está se separando, mas as vezes nos esquecemos de nos lembrar e de nos preocuparmos com isso quando está tudo bem. Hoje se fala muito em vinculo materno, mas precisamos sim fazer com que os pais comecem a serem mais participativos na vida do bebê desde o nascimento. Temos que tentar aproxima-los cada vez mais, e essa distância muitas vezes tem a ver um pouco com o nosso posicionamento em relação às respostas inseguras que temos ao fazermos alguns pedidos ou de vermos alguns atos de início de relação.
Já ouvi muitos pais falarem que não se sentem bem em dar banho no bebê enquanto ele ainda é "molinho", porque não sabem segurar,  e isso seria mais ou menos até uns 8 meses, e imagine se deixarmos todo esse tempo para que o bebê conheça o jeito de seu pai lavar suas costinhas? Ou o jeito de lhe embrulhar na toalha... Será muito tempo perdido! Mas quando você ouve essa frase você já parou para pensar? Eu também não sabia e aprendi a confiar no pai de minhas filhas e passei segurança para ele fazer isso!
Sabemos que o vinculo é criado em momentos em que menos imaginamos, em momentos sem hora para começar e para terminar, e são nesses momentos que nossos filhos se sentem amados, momentos assim são valiosos na vida de uma criança e de uma família, e será que muitas vezes não somos culpadas pelo nosso desgaste diário ou por seu bebê te sufocar por não querer o colo de mais ninguém?
Temos que sair do papel de vítimas, eles são capazes sim, mas as vezes alguns pais precisam de um empurrãozinho, precisamos aprender a delegarmos mais tarefas, aprendermos a forma certa de pedirmos e a quem pedirmos, devemos tomar cuidado nos momentos de falta de ajuda materna, e muitas vezes acabamos substituindo por uma babá, que não tem nada a ver com a família, e esquecemos que não são só tarefas que temos com um bebê ou com uma criança e sim, eles necessitam de afeto, carinho, no meio de todas elas, interagindo eles “o pai”, cada vez mais na vida de nossos filhos, estaremos fortalecendo não só o vinculo entre pai e filho e sim o vinculo familiar, precisamos fazer nossos marido serem referências de pai ideal para nossos filhos, não temos um padrão para seguirmos de família nem criação ideal, mas com certeza essa em conjunto, é a mais aceita pelas crianças, de uma forma saudável.




Autora: Maria Carolina Pereira Lima

Mãe de duas meninas, 7 e 5 anos, apaixonada pela maternidade.
Doula, integrante do GV



Somos um GAPP

Somos um GAPP

Fazemos parte!