Grupo Vínculo - Apoio voluntário especializado para cuidados com a vida

A participação do pai no nascimento do bebê

O papel do homem como pai tem mudado nos últimos anos. Antigamente o pai não participava do nascimento de seus filhos, nem de seus cuidados. Era um papel mais passivo e observador.
Felizmente, com o passar dos anos o homem se tornou mais participativo e sua presença se fez essencial transmitindo à mulher maior segurança, tranquilidade e proteção durante a gestação, trabalho de parto e pós-parto.

Porém essa participação durante o trabalho de parto e parto deve ser voluntária e decidida pelo casal para que não seja motivo de constrangimento e nem confusões. Há homens que não têm interesse em participar do processo, e suas esposas idealizam sua participação. Outros querem participar e suas mulheres preferem companhia feminina. E ainda outros casais que querem ficar juntos, mas não sabem muito bem o que fazer... e por isso escrevemos este post: para dar um help para aqueles casais que querem uma participação ativa de ambos durante o trabalho de parto e parto!

A primeira dica é: informe-se! Você também precisa saber o que se passa no corpo de sua mulher, na vidinha do seu bebê e como é um parto ou uma cesárea! Assim, ficará mais seguro e familiarizado com o processo todo. Um livro bem legal que sempre indico, e que é uma delícia de ler é o "Parto Normal ou Cesárea? O que toda mulher deve saber (e homem também)"Se puder adquirir, será ótimo! Se você já participa de nossos encontros, pode locar o livro em nossa biblioteca!

Segunda dica: o lugar do pai é ao lado da mãe! Durante o trabalho de parto e parto o pai deve ficar ao lado de sua esposa, oferecendo sempre carinho, contato visual, palavras de encorajamento e motivação, pois gestantes que estão prestes à parir necessitam de força, acolhimento e segurança... e o envolvimento afetivo com o pai da criança é muito importante para a gestante se sentir capaz de prosseguir!
Se o pai estiver muito nervoso, convém pedir para outra pessoa assumir seu posto. Ele pode sair para se acalmar, dar uma volta, tomar um café. Gestantes são muito sensíveis e perceptivas e certamente notarão qualquer sinal de preocupação e nervosismo no rosto de seu parceiro. Por isso, papai, se estiver difícil não hesite em também pedir ajuda! Você também precisa estar se sentindo bem para poder dar o apoio que sua mulher precisa! Se vocês tiverem uma doula, converse com ela. Fale sobre o que está sentindo e como pode se ajudar e ajudar a gestante. Vocês formam um círculo de apoio e estão trabalhando em equipe por isso todos tem que estar tranquilos para o trabalho fluir! A doula  e a equipe médica também são suas! Está com dúvida? Pergunte sempre!

O trabalho de parto começou... e agora?


Quando sua esposa entrar em trabalho de parto perceberá que ela sentirá contrações cada vez mais frequentes e intensas. No início do processo sua função é a de fazer sua mulher descansar, se distrair, se alimentar e relaxar, pois essa fase deve ser passada em casa, com bastante tranquilidade  pois é o período mais longo do trabalho de parto. Aproveite para elogiá-la e providenciar um cantinho bem acolhedor, com músicas, luz suave, e o máximo de privacidade possível.

De acordo com que o trabalho de parto for engrenando, perceberá que sua mulher irá desligando seu "cérebro racional" e começará a ser guiada por seus instintos. É bem comum que ela fique mais arredia, ou chorosa e talvez até grite e xingue você! Mas não se assuste, não é pessoal. Esse comportamento é natural e esperado. Nesta fase você pode ajudá-la com elogios e reafirmações sobre a sua capacidade de ir até o fim, respire junto olhando em seus olhos, massageie suas costas, tome um longo e gostoso banho com ela, beije na boca. Observe e respeite as necessidades da mulher. Evite falar muito, fazer piadas e pressiona-la pois isso pode atrapalhar! 


Quando chegarem ao hospital (caso o parto seja hospitalar),  seu papel essencial será o de dar entrada na papelada. A dica é deixar todos documentos juntos, e não esqueça o cartão de pré-natal!!!
Após a internação, permaneça sempre com ela, mas também cuide-se. Se estiverem com uma doula intercale com ela para você poder descansar, se alimentar, tomar um banho. O trabalho de parto pode durar horas e horas e todos tem que estar bem. Ah! E monte sua mala também: muda de roupa, chinelo, produtos de higiene pessoal, toalhas. É melhor ter esses itens à mão, caso vocês passem muito tempo no hospital ou a mulher exija sua presença no banho com ela.

Quando o trabalho de parto estiver quase no fim, vai perceber sua mulher mais "aérea", falando menos e tendo algumas sensações como ondas de calor, tremores, pressão bem grande na região vaginal e é comum que ela se sinta muito fragilizada, dizendo que não irá conseguir. É sinal de que ela está na fase de transição, o finalzinho de todo processo. É nesta fase que o encorajamento, o respirar, o movimentar, o carinho e segurança são importantíssimosRespire fundo!! Se acalme e acredite em sua mulher e em seu bebê!! Deixe as coisas seguirem seu próprio caminho, com a intensidade que a vida trouxer! A partir deste momento não saia mais de perto dela, pois o bebê está prestes a nascer!!

Curta seu momento também, você está nascendo como pai e é importante que você consinta as emoções que surgirem quando o bebê nascer!!

Agora são uma família!

Mostre-se orgulhoso pelo lindo e árduo trabalho que ela acabou de realizar. Sinta-se orgulhoso por sua participação também!! E falando em participação, grude na pediatra e participe dos primeiros cuidados com o bebê! Filme, fotografe, não perca nada!!

Tenho certeza que depois de ter acompanhado e ajudado no parto do seu filho você enxergará sua companheira com outros olhos e seu bebê com ainda mais amor!!



Renata Olah
Coordenadora Geral do GV
Fisioterapeuta e Doula

*Fotos autorizadas pelo casal Mariana e Giovani Paulino, 
ex participantes dos encontros para casais do GV


Somos um GAPP

Somos um GAPP

Fazemos parte!